RSS

Onirim – resenha

Ele não sabia onde estava. Era um local vagamente familiar – certamente estivera ali antes, mas onde “ali” era, ele não conseguia dizer. Andando pelo corredor foi possível lembrar que estava na câmara de astronomia. Notou, também, que estava perdido. Os corredores eram todos iguais, somente as portas alteravam em certos detalhes – algumas tinham o símbolo do sol, outras tinham um triângulo e, poucas, tinham chaves em suas fechaduras. As portas estavam todas fechadas, mas não trancadas, e levavam a salas onde haviam astrolábios, cartas cosmológicas, lunetas e outros aparatos científicos. Não havia minúcias em tais registros e equipamentos, todos pareciam como que manchados por água, borrados – a visão parecia ser incapaz de se focar.

Ele estava diante da uma das portas que podia passar, pois descobrira que, uma vez que passasse por uma porta com símbolo de sol, todas as outras com o mesmo símbolo estavam bloqueadas para ele, e foi um longo caminho até encontrar uma que tivesse um sinal diverso. Sentiu uma sensação ruim antes de abrir a porta, contudo, atrás de si, o corredor parecia sumir, existindo somente ao redor dele e, ele supunha, o mesmo desapareceria uma vez que atravessasse a porta. Assim, abriu a porta.

O pesadelo o atacou sem aviso, puxando-o com violência para dentro com mãos que eram somente sombras. Havia formas diversas na massa de escuridão e todas elas pareciam querer feri-lo. Por instinto, ele usou a única coisa que carregava que poderia ser algum tipo de arma: uma chave azul. O resultado foi assustador – as criaturas uivaram e urraram e a sala tremeu enquanto as sombras rodopiavam, girando como um redemoinho que era sugado pela chave. Os pesadelos foram consumidos pela chave que, então, começou a derreter, com o metal virando líquido e escorrendo para o chão, onde deveria haver algumas rachaduras ínfimas, pois o metal azul escoou para logo restar nada.

Ele suspirou de alívio, ainda mais quando pode ver que, do outro lado da sala, parcialmente escondida por entulho, havia uma porta vermelha com o símbolo do sol. Foi até ela e a abriu. Diante de si o corredor alterou sua cor e estrutura: em frente agora reinava o verde, uma flora luxuriosa onde as samambaias, árvores e mato alto dominavam a vista. Uma trilha sinuosa seguia da soleira da porta, entrando naquele mundo verde recheado por milhares de ruídos. À distância, em meio à vegetação, ele via portas azuis, vermelhas, marrons e, mais importante, outras verdes. Mas qual caminho tomar até elas? Haveria outros pesadelos à espreita?

No mundo dos sonhos tão pouco é certo, exceto que é necessário sair dele.

ONIRIM – O JOGO

Read the rest of this entry »

 
Deixe um comentário

Publicado por em 18/05/2016 em Cardgames, resenha

 

Tags: , , , , , , ,

Stronghold – relato

Olá, pessoas!

Desta vez invertemos os lados: o Jorge foi com os invasores e eu com os defensores. A partida já saiu de cara diferente, pois o armamento disponível aos invasores tinha balestras, trabucos e paveses. Notei que sem aríetes, podia deixar o portão principal sem cuidados especiais, diferente do jogo anterior, em que, como os invasores, investi pesadamente em derrubar os portões.

Comecei espalhando armadilhas para apanhar os trolls e encurralando-os até certas seções da muralha, onde poderia me concentrar em me defender contra eles. Funcionou bem, pois deixei duas áreas amplas quase livres da presença de trolls, exceto pela vinda deles por uns túneis safados que o Jorge conseguia colocar – mas era no máximo 1 por túnel.

O Jorge tentou forçar passagem no canto mais extremo da esquerda, onde seu trabuco atacava os muros e sua balestra os defensores. Estava difícil resistir, sendo necessário enviar um veterano e soldados para manter o local. Coloquei um caldeirão contra trolls ali, pois era aonde eles conseguiam chegar, devido às armadilhas, e estava sendo possível resistir.

Read the rest of this entry »

 
Deixe um comentário

Publicado por em 04/05/2016 em BoardGames, Jogos

 

Tags: , , , , , , ,

Tammany Hall – primeiras impressões

Olá!

Aviso que as impressões abaixo, como dito, são as primeiras, com base em um partida em 5 pessoas.

 

Demorou algum tempo, mas, afinal, o Tammany Hall veio para a mesa. Deixei os outros mais do que incertos, ao me enrolar todo para fazer o set up do jogo, indo e vindo. Para deixar a situação pior, jogamos o primeiro ano errado, pois havia cubos de imigrantes a menos em Castle Garden (o correto é o número de jogadores +2 e eu deixei, no começo, só igual ao número de jogadores), mas felizmente corrigi isso a tempo de não afetar a partida. Passadas essas lombadas iniciais, o restante do jogo fluiu sem novos incidentes. Read the rest of this entry »

 
Deixe um comentário

Publicado por em 27/04/2016 em BoardGames, Jogos, resenha

 

Tags: , , , , ,

Trash Comics – Editora Abril…

Pessoal, a coluna de hoje será breve.

Uma pergunta geral: qual é a história mais famosa já escrita? Não apenas agora – em todos os tempos. Aquela que um maior número de pessoas conhece ou já conheceu! Que seja conhecida tanto hoje, aqui no Brasil, como na China há mil anos atrás, ou na Roma antiga.

Sendo realistas, não há como responder. É algo imensurável, mesmo com um estudo histórico profundo. Mas podemos sugerir alguns nomes. Seria a história de Adão e Eva? A Arca de Noé? A vida de Jesus Cristo? A Odisséia? Dom Quixote? Hamlet? As fábulas de Esopo?

Não temam, a editora Abril sabe a resposta:

Read the rest of this entry »

 
Deixe um comentário

Publicado por em 12/04/2016 em Geral

 

Biblios – resenha

– In nomine Patris, et Filii, et Spiritus Sancti – entoou o abade, erguendo a hóstia.

– Amém – responderam, em uníssono os monges, ajoelhados nos genuflexórios.

A abadia era escura e úmida, austera em sua construção de pedras cinzas. O sol surgia no horizonte, fora do monastério, e, ali dentro, as velas de cera de abelha queimavam fracas, praticamente exauridas. As laudes seguiram dia adentro e o eco das vozes ressonavam pelos corredores.

– Gloria Patri, et Filii, et Spiritus Sancti. Sicut erat in principio, et nunc, et semper, et in saecula saeculorum – o abade cantou, encerrando a ladainha e as orações matutinas.

– Amém – retornaram os monges.

Após serem dispensados os monges seriam em pares pelos corredores até o refeitório, onde vinho, pão, queijo, mingau e frutas os esperavam. Dali os irmãos separaram-se, indo para suas tarefas diárias e alguns, os mais habilidosos e respeitados foram até o scriptorium – a oficina dos escritos -, onde os pergaminhos e as tintas os esperavam. Os assentos rígidos de madeira não eram confortáveis, mas o costume removera a maior parte do incômodo. Os monges se persignaram, fazendo o sinal da cruz, antes do início do trabalho, pois o serviço era uma litania de louvor aos céus.

Então as penas tiveram suas pontas cuidadosamente afiladas, enquanto o mestre dos copistas supervisionava a mistura dos pigmentos, em particular a moagem do lápis-lazúli e o preparo do auripigmentum – o divino dourado – pois era esperado que as iluminuras preparados ali superassem em qualidade e beleza todos os demais mosteiros da cristandade. Os favores do arcebispo são volúveis e o abade não queria perdê-los. Era necessário, portanto, inspirar com maravilhas em formas de letras e cores. Tudo para a glória do Senhor.

BIBLIOS – O JOGO

Imagem por kherubim
Read the rest of this entry »

 
 

Tags: , , , , , , ,

Batman v Superman: A Origem da Justiça – Eu não gostei!

Com lágrimas nos olhos eu comunico a todos que a Warner, Snyder, ou quem quer que seja, não conseguiu emplacar este filme. Quase tudo deu errado!
por Hugo Fernando

BVS

Senhoras e Senhores

Depois de um longo e tenebroso inverno, aqui estou eu, saindo do ostracismo para escrever sobre um dos filmes que mais aguardei e antes que você pense: “Ai, lá vem mais um hater falar mal do filme”, veja a foto abaixo.

cas._marina_e_hugo_0690Esta foto é do meu casamento. O do meio sou eu e os das pontas são meus padrinhos (e irmãos). Definitivamente eu sou uma das pessoas que mais queria que este filme funcionasse. Muito. Mas não deu (que fique claro, não deu em termos de história. Com relação a bilheteria ele vai muito bem, obrigado).

Estou escrevendo como um fã. Serão comentários passionais, totalmente pessoais. Não vou escrever sobre figurino, fotografia, métrica do roteiro, etc, por dois motivos: 1) tem um monte de pessoas competentes que já fezeram isso, por favor leiam a Isabela, a Gazeta e os blogs dos meus amigos Marden, Joba e Paulo Camargo. O segundo motivo é que não sei analisar estas coisas😉.

Tenho um monte de comentários e observações, no começo do texto falo sobre o que está evidente no filme, no final falo das nerdices.

O que gostei.

Batman: Apesar de darem o enfoque somente no Batman brigador força bruta, eu ainda gostei dele. Para quem não sabe, nos quadrinhos, o Vigilante de Gotham é o maior detetive do mundo, ele resolve as coisas na inteligência e só depois sai no braço. Como eu achava desde o começo, o Ben Affleck não decepcionou e acredito que fará um filme solo do Homem-Morcego ainda melhor.

Alfred: Com tantos personagens para tratar, o Alfred acabou mesclando as suas características a de outro personagem, Lucius Fox. O resultado ficou bom. A química entre Ben Affleck e o Jeremy Irons funciona.

Briga do Batman no Armazém: Definitivamente a melhor cena de briga de todo o filme. Estratégia com brutalidade.

Uniforme do Batman e da Mulher Maravilha: Muito bem adaptados. O uniforme e a armadura do Batman saíram diretamente do Cavaleiro das Trevas. A decisão de tirar as cores fortes do uniforme da Mulher Maravilha e substituir por uma paleta ocre ficou excelente.

IVECO: O caminhão que transporta a kriptonita é da IVECO, nem o batmovel consegue parar este caminhão. Isto mostra a robustez e qualidade do produto!!! (feito o social com a patroa)

Pronto, foi isso, parei por aqui. Vamos fazer um intervalo para você assistir ao trailer e depois continuo com o que não gostei.

O que não gostei.

Read the rest of this entry »

 
Deixe um comentário

Publicado por em 29/03/2016 em Cinema, Estréia, Filmes, Quadrinhos

 

Batman vs Superman: A Origem da Justiça – Eu Gostei!

Batman-V-Superman-a-gambiarra-1

Confesso que fui ver ontem com o pé atrás (essa do pé atrás já está ficando recorrente, mas é que quando mexem com algo que você gosta a muito tempo sempre dá um friozinho na barriga né?), o trailer liberado pela produtora não foi dos mais animadores, Ben Affleck e um ator mediano, mas certamente já vimos piores juntos ao nosso amado Batman, como George Clooney e Michael Keaton. Eu parei de julgar atuações, só pelo nome do ator após o show dado pelo Coringa, interpretado pelo, nas minhas próprias palavras: “Franguinho” Heath Ledger.

A promessa de um enfrentamento entre estes dois gigantes da DC Comics, já havia sido maravilhosamente roteirizado na obra de Frank Miller – O Cavaleiro das Trevas, e isso também me deixou apreensivo. Ora que historias estapafúrdia eles inventariam para colocar dois grandes heróis um contra o outro sem ser idiota?

cavaleiro-das-trevas-batman-vs-superman-by-miller-550x438

A resposta não vem do passado e sim do futuro, para mim o filme foi cheio de referências sutis a diversos títulos, sim Cavaleiro das Trevas, sim A morte do Superman, sim Injustice Gods Among Us, sim Earth 2, e sim Liga da Justiça da America.

Mas no meio de tudo isso, o filme e bom? Sim, o filme é bom! Pode ir assistir sem medo, pelo menos sem medo dessa resenha pois o Hugo Ira escrever mais tarde sobre o que ele não gostou, por que não gostou, então guarde seus medos para a resenha dele!

Na sessão que eu assisti, uma sessão fechada para jornalistas (sim eles me deixaram ir junto), o próprio Zack Snyder (não pessoalmente, mas através de um vídeo), pede que sejamos contidos em nossas resenhas para não dar spoilers, e muitos dizem que minhas resenhas são muito simples, que elas não explicam o filme etc etc. Bem eu não gosto de spoilers, e por isso evito ao máximo dar spoilers.

download

Então vou falar tecnicamente, mesmo eu não sendo um crítico ou expert no assunto, estou indo por partes.

Roteiro, a história é legalzinha, ela é a colagens de várias passagens de algumas histórias em quadrinhos que já citei ali em cima, é bem costurada, mas também é uma colcha de retalhos de diversas histórias e linhas do tempo diferentes, que para os fãs mais hard core não irão fazer sentido.

Fotografia e figurinos, estavam ótimos, eu já me acostumei com o novo uniforme do homem de aço, a armadura do Batman para o combate final está excelente, a mulher maravilha está uma maravilha (pun intended)!

Efeitos especiais, estão ótimos, não irei me alongar para não tirar a graça do vilão final, sei que muitos já sabem mesmo, mas quem não sabe merece ter uma surpresinha extra.

Sobre os atores: Ben Affleck, somente, não deixa na mão o nosso justiceiro encapuzado, como dá um ar ao Batman que até o momento não havia notado em outros atores, um Batman, imenso e forte, que sim é páreo para o homem de aço.

Henry Cavill, ele já é o Superman, há pouco a se dizer, ele e um Clark, menos inseguro, que o saudoso Christopher Reeve, mas como Superman ele faz jus aos seus predecessores.

Gal Gadot como Diana Prince/ Mulher Maravilha surpreende muito, logicamente minha mente as vezes fica presa ao saudosismo, de seriados de quando eu era criança e via a mulher maravilha na tv prendendo bandidinhos com sei laço magico e desviando balas com seu bracelete. Essa versão tem muito mais haver com a mulher maravilha heroína mesmo, que sai na mão de igual para igual com os poderes mais badass do universo.

batmanvssuperman_23out15-1-e1450287038448

Lex Luthor do Jesse Eisenberg, é um personagem conflitante, ele tem muitos maneirismos do ator, e sinceramente tira um pouco da seriedade da personagem com umas besteiras cômicas, todavia há uma loucura que paira no ar em volta da personagem, e isso pode ser o início de nova luz sobre este vilão.

Lex-Luthor--580x883

Bem, dito tudo isso eu vou dizer que fico mais confortável vendo filmes da DC que da Marvel, sou um fã da DC e em especial destes personagens, que irão compor a Liga da Justiça da América. Logo estou ansioso para ver os futuros filmes da Mulher Maravilha, e Aquaman, e espero que eles anunciem também filmes do Flash e do Cyborg, para finalmente ver todos juntos em Liga da Justiça da américa I e II (em filmagens se não me engano).

Batman-vs-Superman-A-Origem-da-Justiça-Um-anonimo-afirma-já-ter-visto-ao-filme-600x338

Para não faltar a harmonização com o costumeiro RPG fica aqui a minha dica de vocês conhecerem o DC Heroes RPG da Mayfair Games. Ele me ajudou e me ajuda a entender como funcionam mecanicamente a escala de poder entre homens e super-homens! Terminando aqui com uma frase polemica dita por um amigo ontem: Marvel é coisa de adolescente, adulto mesmo gosta da DC!.

Dc_heroes_3

Game On!

PS: Confira nossa versão não gostei escrita pelo Hugo, e já rebatendo aqueles que irão me dizer que a DC ta copiando a Marvel nos esqueminhas de linkar os filmes, sim está! É uma boa formula para apresentar os personagens ao publico novo, lembrem se que nem todos nasceram na década de 70, leem quadrinhos a mais de 30 anos, ou viram Star Wars no cinema, nós precisamos de uma base de fãs continuamente renovada e o cinema e a tv são as ferramentas de hoje para isso!

 

 
1 comentário

Publicado por em 24/03/2016 em Cinema, Estréia, RPG

 

Tags: , , , , , , , , , ,

 
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 4.633 outros seguidores