RSS

Battlestar Galactica Online – Análise

30 nov

Olá pessoal!

confesso que não gosto de MMO’s, meu tipo de jogo é outro, mas mesmo assim acabo jogando pelo menos umas 10 horas de cada para ver se consigo gostar de algum. Com Battlestar Galactica Online não foi diferente, joguei e gostaria de pontuar algumas coisas a respeito do jogo. Ah, e para ficar claro desde já ele é free-to-play, o famoso “de grátis”.

História:

Depois de ter assistido a série fiquei sabendo do jogo, confesso que fiquei alucinado com a possibilidade de jogar no universo de BSG.

Para quem assitiu a série acho que o grande apelo do jogo está aqui: naves, raças e personagens da série (como o Almirante Adama aí ao lado) ãparecem no jogo. É um prato cheio para quem é fã.

Para quem não assitiu segue aí um resumo da história:

Os Cylons foram criados pelos homens. E evoluíram. Rebelaram-se.

40 anos após a Primeira Guerra dos Cylons eles retornaram e acabaram com as Doze Colónias. Juntando uma frota de naves civis caindo aos pedaços a já desgastada Battlestar Galactica conseguiu escapar ao ataque e partir para o lendário lar dos Treze Tribos Humanos – um planeta chamado Terra.

Depois de meses de incansáveis perseguições pelas forças Cylon a Battlestar Galactica e a Frota Colonial sob a sua proteção conseguiram unir-se à Battlestar Pegasus, outra sobrevivente do ataque dos Cylons. Juntas elas conseguiram contra-atacar e destruir a nave Resurrection da frota dos Cylons.

Enfurecidos com a perda da Resurrection, os cylons partiram para um ataque massivo contra a frota colonial. Apanhada de surpresa, a frota colonial tentou dar o salto para escapar, mas alguma coisa correu muito mal. Os sistemas de salto FTL de ambas as frotas foram sobrecarregados por pulsos de energia massivos, o que desencadeou uma propulsão descontrolada que os lançou muito além do curso.

O enredo do jogo pega um gancho interessante e cria um pano de fundo para as batalhas espaciais, tanto a frota colonial quanto a cylon estão presas numa área inexplorada do espaço no limite de um dos braços da galáxia. Severamente danificados e com pouquíssimos recursos, ambas as frotas entram numa corrida contra o tempo para fazer manutenção nas naves e recarregar as armas, lutando pelo controlo de sistemas ricos em tylium, metais e água. A frota colonial procura desesperadamente por uma maneira de escapar e continuar a busca pela Terra antes que os cylons consigam reerguerem-se para destruí-los de uma vez por todas.

No fundo o que mais me incomoda nos MMO’s é a falta de um enredo, uma finalidade para horas e horas de jogo. A coisa do mundo aberto e a possibilidade de jogar com várias pessoas ao mesmo tempo é atraente e tal, mas eu gosto de um objetivo maior, fazer parte de uma história. Acho que o sistema de missões acaba por enjoar, mas enfim, não é um defeito desse jogo e sim de qualquer MMO na minha opinião.

O jogo:

Qualquer um que já jogou algum MMO sabe que 10 horas de jogo não dizem nada. De fato não conquistei quase nada, mas foi o suficiente para sentir a jogabilidade, e perceber alguns pontos fortes e fracos. Sempre gostei de jogos de naves, lembro que passava horas jogando o Firefox no Nintendo 64, e confesso que aqui até que o jogo deu uma empolgada.

Depois de cumprir missões mais básicas como o “vai até ali e volta” e depois o “minera uns asteróides até não aguentar mais” a coisa dá uma engrenada. As batalhas são até que divertidas, ainda que leve um certo tempo para pegar o jeito de pilotar as naves. Não espere muita complexidade, apesar de não ter chego em um nível onde minha nave tivesse muitos equipamentos, percebi que a evolução se dá pela potência dos recursos que você instala (campos de força e armas principalmente) e não pela variedade deles.

Como eu afirmei no começo do post o jogo é free-to-play, mas, como a maioria dos MMO’s de hoje, aceita microtransações. Aqui temos um ponto a melhorar: o sistema fica muito desbalanceado para quem investe dinheiro no jogo. Na hora das batalhas maiores minha nave virava pó com dois tiros de um laser inimigo de poucos níveis acima.

Uma coisa que me incomodou bastante foi a trilha sonora, muito monótona, tive que apelar para o meu iTunes e colocar Led Zeppelin para continuar jogando.

Requisitos:

Aqui eu tiro meu chapéu, você só precisa de um browser atualizado. Sim isso mesmo, você não vai precisar baixar um pacote de 18 Gb para começar a jogar. Talvez por isso eu vou ser mais brando na avaliação dos gráficos. Tudo é bastante simples, não existem muitas texturas, mas o jogo é bonito. Para quem jogou o MMO brasileiro Taikodon afirmo sem medo de ser feliz que estão no mesmo nível (é um elogio viu gente). Eu fiquei intrigado com a possibilidade de termos gráficos 3D rodando lisos em um browser, acho que daqui a pouco tempo teremos algumas obras de arte a distancia de um clique.

Abraixo segue um trailer feito só com imagens “in game”.

Veredito:

Jogue! Não precisa instalar nada, distrai e é capaz de agradar realmente os fãs da série. Não será o melhor jogo de batalhas com naves que vocês irá jogar na sua vida, mas é divertido.

Segue mais uma vez o link para fazer o cadastro e começar a jogar:

http://us.battlestar-galactica.bigpoint.com/home

Alguém aí já jogou? Comente como foi a experiência!

Não jogou? Jogue e conte como foi!

Anúncios
 
7 Comentários

Publicado por em 30/11/2011 em Vídeo Game

 

Tags: , ,

7 Respostas para “Battlestar Galactica Online – Análise

  1. Prestogaudio

    30/11/2011 at 11:02 AM

    conhece algum MMO do Stargate???

     
    • feliperecka

      30/11/2011 at 11:13 AM

      Entre 2006 e 2008 estava sendo produzido um MMO de Stargate chamado “Stargate World” mas depois de várias pendengas, atrasos e desmoando ele foi cancelado. Em março de 2010 foi lançado o shooter “Stargate: Resistance” (eu não joguei), tinha um multiplayer on-line mas os servidores foram desligados esse ano (2011).

      Acho que stargate tinha potencial para virar um MMO, assim omo tantas outras séries maneiras que tem por aí, mas o fato é: será que tem jogador apra tudo isso?

       
      • Max

        30/11/2011 at 1:14 PM

        Recka, agora tem um MMO no universo da franquia de filmes “A Múmia”. Usa o mesmo esquema de jogo por browser (acho que é o mesmo engine inclusive) que este do BSG. Não tenho o link aqui comigo, se te interessar dá uma procurada no google, binq, whatever de sua preferência.

         
      • feliperecka

        30/11/2011 at 1:29 PM

        Valeu Max! Vou dar uma olhada.

        Hoje devo começar um playtest do “DC Universe Online”. Já temos alguém da equipe jogando no beta do “Star Wars: The Old Republic” logo traremos outras matérias para quem curte MMO’s.

         
  2. Thauan Santos

    05/12/2011 at 10:30 AM

    Eu já joguei mto e fikei no nvl 100 mais ai a minha conta deu problemaai eu fica outra e ja to no nvl 20 😀 ja matei 1.000.400 naves 😀

     
    • feliperecka

      05/12/2011 at 10:40 AM

      Hehehehe… eu devo ser muito noob 😛
      Então curtiu o jogo? Teria algo a acrescentar a minha análise?

      Obrigado pela visita e volte sempre 😉

       
  3. Thauan Santos

    22/02/2012 at 4:48 PM

    Siim Curtii muito ja tenho umas 5 ou 6 contas no battle !!! eu como cylon tenho uma liche e uma Nidhogg essas duas sao boas de pilotar !!!

     

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: