RSS

“Não há lugar como um lar…” – Aventura pronta para Terra Devastada – Parte 01

21 dez

Olá pessoal!

Como prometido organizei a aventura de Terra Devastada que mestrei no Primeiro Encontro MicroNerd de Curitiba e trago para vocês. A aventura se chama “Não há lugar como um lar…” e não tem número mínimo e máximo de jogadores, mas aconselho ficar entre 3 e 5.

Sinopse: Meses após o Apocalipse Zumbi os sobreviventes lutam dia após dia por suas vidas. A água potável rareia, sendo encontrada nas poucas caixas d’água esquecidas, boa parte da comida antes estocada já foi consumida. Um pequeno grupo isolado em um shopping está a beira de um colapso quando surge um fio de esperança.

Ao longo de todas as etapas vou colocar alguns comentários sobre como a aventura rolou no encontro e algumas dicas para o mestre. Ou seja, se você pretende jogar, mostre esse artigo para quem vai mestrar e pare de ler aqui!

Para manter o mesmo padrão do livro Terra Devastada vou separar a aventura em cinco principais eventos (cenas), são eles:

– Preparação;
– Jornada Insólita;
– Caminho sem Volta;
– Queda e ascensão;
– Desfecho.

Não por acaso a aventura baseia-se em um tipo de roteiro conhecido como “Jornada do Herói”. Se você quer conhecer um pouco mais sobre o assunto, e criar suas próprias aventuras, sugiro a leitura de uma série de posts que fiz sobre a Jornada do Herói. O primeiro post da série pode ser acessado aqui.

Sobre essa aventura, como ela ficou muito grande, a separei em duas partes, semana que vem posto a parte final.

Continua depois do break…

A história se passa em um grande centro urbano. As ruas, a primeira vista, estão desertas, mas escondem grandes perigos. Muitos carros foram abandonados no meio das vias em meio à histeria que ocorreu durante a infestação zumbi. Dentro de um shopping, um pequeno grupo de sobreviventes foi se formando, cada um com sua história…

Como o jogo Terra Devastada permite a criação de histórias cinematográficas eu, como mestre, tenho por hábito acrescentar alguns detalhes às fichas/histórias dos protagonistas gerando mais ganchos dentro da aventura. Para essa aventura existe um gancho muito importante a ser acrescentado a uma história de um protagonista à sua escolha: um deles se perdeu de outra sobrevivente que cuidava de um bebê e nos ultimos dias, além de lutar por sua sobrevivência, ele tenta encontrar essa mulher. Se você preferir pode criar sua prórpia aventura-prólogo para esse gancho e jogar com seu grupo. Para criar ainda mais conflitos durante essa aventura fiz questão de escolher duas características na ficha de cada um dos personagens de tal forma que elas fossem conflitantes (ex.: um personagem extremamente piedoso e outro sem excrúpulo algum).

Preparação

Nas últimas semanas o shopping tem recebido novos “inquilinos”. O local já foi saqueado várias vezes mas ainda assim oferecia àqueles que buscavam por seu abrigo água provinda de sua imensa caixa d’água, restos de comida e todo tipo de tralha que porventura se tornaria útil em caso de necessidade extrema. Os protagonistas, surpresos como a existência de outros sobreviventes na região, já estão a desfrutar desse abrigo por pelo menos duas semanas. Tempo suficiente para todos perceberem que cada um está por si.

Dê tempo para seus protagonistas contarem suas histórias, relembre-os a todo momento que a fome os aflige, e a água armazenada na caixa d’água dá sinais de esgotamento. Deixe-os explorar o shopping como desejarem (em minhas aventuras costumo usar espaços da cidade onde moro) mas é importante manter o clima tenso e a sensação de impotência.

Enquanto os protagonistas exploram o local eles de alguma forma percebem, provavelmente subindo no telhado, que uma fumaça branca emerge de uma chaminé a algumas quadras de distância. O fato chama bastante atenção visto que a região parecia desabitada. Enquanto eles decidem o que fazer um grito feminino entrecorta a cena. Uma mulher foge de zumbis desesperadamente correndo pela rua que dá acesso ao shopping.

Os jogadores devem decidir se salvam a mulher, arriscando as barricadas que prepararam para se proteger, ou deixá-la a mercê dos zumbis.

A mulher correrá em direção a porta do shopping onde os protagonistas estão reunidos, uma turba de “2 x n° de protagonistas + 1d6” zumbis a persegue.

Desfecho 1:  Os protagonistas salvam a mulher. Após se acalmar ela explica que veio à região após ouvir a mensagem em seu rádio. Ela tira um pequeno rádio de bolso e o liga, uma mensagem repete incansavelmente “Ateção sobreviventes, se estiver ouvindo essa mensagem 10 km nos separam, eu posso oferecer abrigo, comida; um lar. Posso ser encontrado fronte à praça X.” (por X entenda-se o nome que você desejar). A mulher esconde ainda um terrível segredo, ela foi mordida. O ferimento só será visto se ela for examinada. Qualquer tentativa de violência contra ela será respondida com um tiro contra o agressor. Ela carrega um revolver 36 com duas balas. Seu processo de zumbificação é extremamente rápido em uma noite ela se torna um zumbi e tenta atacar o protagonista mais próximo.

Desfecho 2: Os protagonistas não salvam a mulher. Quando ela percebe que não tem mais esperança a mulher saca uma arma e se suicida. Os zumbis devoram parte de seu corpo e perdem o interesse dispersando algumas horas depois, se os protagonistas revistarem o corpo encontrarão o revolver com um cartucho deflagrado e mais uma bala, também encontrarão um pequeno rádio que ao ser ligado emite a seguinte mensagem: “Ateção sobreviventes, se estiver ouvindo essa mensagem 10 km nos separam, eu posso oferecer abrigo, comida; um lar. Posso ser encontrado fronte à praça X.” (por X entenda-se o nome que você desejar).

Jornada Insólita

Após encerrar a cena com a mulher/zumbi todos os protagonistas têm a idéia clara que a fumaça vista é o local de onde a mensagem do rádio é enviada. Esse trecho da aventura é o mais “solto” e vai tratar da saída do shopping e um pequena “road trip” em direção à fumaça branca que sobe aos céus. Use sua imaginação e crie os obstáculos que desejar.

Durante a aventura que mestre no encontro usei a dificuldade de saída do shopping, afinal os zumbis que atacaram a mulher estavam por perto, e a seguir um zumbi “desgarrado que se encontrava no meio do caminho. Uma idéia complementar é colocar algum tipo de animal que fugiu do zoológico, normalmente isso surpreende bastante os jogadores.

Desfecho da cena: ao se aproximarem da praça indicada na mensagem os protagonistas têm uma visão aterradora: centenas de zumbis os separam de seu destino. Todos sentem o fio de esperança que os impulsionava se romper, o desespero toma conta de todos. Petrificados pela visão eles têm pouco tempo para pensar pois os zumbis detectaram sua presença através do cheiro. A massa morta-viva se desloca desesperadamente em direção aos protagonistas. Os conformados já se ajoelham despedindo-se da vida quando um ronco de motor v8 inrrompe a avenida. Um rabecão preto, típico de funerárias, abre espaço entre os zumbis. Como um navio navegando em um mar revolto o carro toma a frente da turba de mortos vivos e alcança os protagonistas. O carro pará de forma desajeitada e a porta se abre, mais uma chance foi dada…

Minha idéia aqui é tornar o final da cena o mais cinematográfico possível, quando narrei fiz questão de descrever acena dos zumbis vido para cima dos protagonista em “câmera lenta”. A solução é um pouco “Deus ex machina” e pode frustar alguns jogadores, então se prefirir permita que os jogadores enfrentem um número menor de zumbis para chegar no destino.

Bem…. vamos dar uma pausa por aqui semana que vem trago o final da aventura, por favor deixem seus comentários! Enquanto vocês esperam pela conclusão participem da promoção “Protocolo Bluehand: Alienígenas“. Para participar, é o básico: siga-nos no Twitter e Facebook e enviem ou retuitem a seguinte mensagem: “Eu quero a primeira edição autografada do #PBHa que será sorteado pelo @eugostodejogar http://kingo.to/W6o“ !!!

Anúncios
 
11 Comentários

Publicado por em 21/12/2011 em RPG

 

Tags: ,

11 Respostas para ““Não há lugar como um lar…” – Aventura pronta para Terra Devastada – Parte 01

  1. eraldo

    21/12/2011 at 10:02 AM

    Muito boa a aventura Recka, pena que não consegui comparecer no MicroNerd para poder jogar, mais vou utilizar sua aventura para um grupo de amigos meus para mostrar o sistema (assim não preciso imaginar muito)…

     
    • feliperecka

      21/12/2011 at 10:19 AM

      Opa Eraldo, valeu pelo comentário! O pessoal parece ter gostado quando mestrei, depois volte aqui e conte como foi com seu grupo 😉

       
  2. John Bogéa (@JohnBogea)

    21/12/2011 at 11:40 AM

    Muito bacana, Felipe. Também adoro histórias cinematográficas. Vamos ver o que tu vai aprontar pra concluir essa jornarda (TPK, será? hehheeh). Depois, se você permitir, vou colar essa aventura lá no Sala 101. 😀

     
    • feliperecka

      21/12/2011 at 1:33 PM

      Oi John! Que honra, o próprio autor curtindo a aventura 😀
      Pode deixar que o final é surpreendente. Desde já tens minha permissão para colocar lá no sala 101 o/

       
  3. Remison Ramos

    17/04/2012 at 1:26 AM

    Muito legal! Adorei a aventura e vou usa-la na minha sessão de Terra Devastada!

     
    • feliperecka

      17/04/2012 at 10:21 AM

      Remison, que bom que gostou, depois conte como foi com o seu grupo 😉

       

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: