RSS

Poder Sem Limites – Resenha

28 fev

Poder Sem Limites

Senhoras e Senhores.

Assisti ao filme Poder Sem Limites (Chronicles) e se for para defini-lo em apenas uma frase, diria que “Com grades poderes vem grandes responsabilidades” utilizaria a que foi dita por Lord Acton e 1887

“Todo o poder corrompe: o poder absoluto corrompe absolutamente.”

A sinopse oficial do filme é: “Em “Poder sem limites”, três amigos ganham superpoderes após ingerir uma substância misteriosa. No início, usam estes poderes para brincar com os seus conhecidos, mas com o passar do tempo passam a assumir tarefas mais difíceis, adquirindo um senso de imortalidade e impunidade. A partir daí, são forçados a avaliar conceitos éticos e morais e a traçar o limite para o uso destas novas habilidades.”

O filme é gravado com a câmera toda na posição do personagem, bem ao estilo Bruxa de Blair, é deste ponto de vista que a história toda é contada.

No início eu achei a trama meio enrolada, mas à medida que o filme vai passando você vê o que acontece e já sabe que vai dar encrenca, a questão que fica é: Quando vai acontecer e como vai dar o problema, isto te prende a atenção durante os 84 minutos do filme.

Se você tem uma bagagem em história em quadrinhos as coisas ficam meio previsíveis, ainda mais se você já assistiu Akira. Outro fato que da pista clara do que acontecer é o velho chavão do menino tímido, retraído que sofre com colegas da escola, tem problemas com a família e de uma hora para outra ganha poderes. Com 30 minutos de filme você desconfia seriamente como será o desenrolar da história, mas como disse, resta saber como.

Um fato que eu não concordo com a sinopse é que ali diz que eles ingerem uma substância. Sinceramente, não reparei em ninguém ingerindo nada, eles entram em contato com uma “coisa” e é isso. É uma origem de super-herói bem no estilo Stan Lee dos anos 60. Sem explicação de nada, mas também não precisa, afinal, o mote do filme não é este. O objetivo é mostrar que com grandes poderes vem grandes responsabilidades (OH NOES, Maldito Homem Aranha).

O filme foi dirigido por Josh Trank e escrito por Max Landis (filho do John Landis). Como este projeto teve um
orçamento bem baixo para os padrões de Hollywood (U$ 12 milhões), não espere nenhum efeito especial de última geração, as coisas são sutis mas convincentes e os acontecimentos do final ficaram bem bacanas, Como tudo é  filmado da visão de quem esta com uma câmera, os takes lembram muito os ângulos da série Marvels pintada pelo Alex Ross.

Eu gostei do filme, mas não sei se ele é para todos. Para meus amigos que gostam do tema de HQ´s, jogos, RPG´s, etc, podem ir sem medo o filme é enxuto e é uma boa diversão. Para os outros amigos “não iniciados na nona arte” podem ir também, mas não espere nenhum blockbuster como os ótimos IronMan e Batman. Poder sem limites é muito bom, mas a pegada é diferente!

Abaixo o link para o trailer oficial. Já mencionei e repito, o filme é meio previsível, se você ver o trailer então vai perder a graça. Minha sugestão é: Não assista o trailer!

Site Oficial

Página no Facebook

Twitter do filme

Para fechar. Jogar Futebol Americano nas nuvens deve ser legal pra caramba!

That´s all Folks
@hugomagalhaes
@eugostodejogar
Facebook

Anúncios
 
2 Comentários

Publicado por em 28/02/2012 em Cinema, Estréia

 

Tags: , ,

2 Respostas para “Poder Sem Limites – Resenha

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: