RSS

Guerra de Brinquedo – Exércitos de papel em grande estilo!

02 maio

Ave !

Trago aqui uma reportagem de batalha, usando exércitos confeccionados em papel, com bases em e.v.a. e grama para miniaturas, a coisa toda foi tão bem feita que durante a partida perde-se a noção de que não são miniaturas!

Feitas pelo confrade GERALDO, grande colecionador e pintor de miniaturas em Curitiba, os exércitos para guerras napoleonicas mostram mais uma alternativa de ter coisa de boa qualidade para jogar wargames sem gastar fortunas, ter talento de artista ou trabalho excessivo para implementar a coisa toda.

Usamos um sistema de combate apropriado, muito dinâmico, acessivel e divertido chamado BLACK POWDER, leia o desenrolar da batalha e divirta-se com as imagens.

01/05/12
BLACK POWDER
GERALDO – FRANCESES – Vitória por massacre
MÜLLER – BRITÂNICOS

I –
Uma modorrenta tarde de outono na região de flandres, viu o exército francês avançar pelo campo que separava o vilarejo de Sauze, vinha em marcha forçada para se confrontar com o nosso exército posicionado ao redor da vila , entre os bosques e os campos de cultivo …

Eu estava ao lado de Sharpe quando tudo começou, o 3° regimento de Sussex avançou em coluna, entre a plantação e o vilarejo, no outro lado do campo uma grande formação de infantaria francesa apareceu entre duas colinas, nosso coronel de brigada, formidável comandante mais valoroso até que o próprio general do exército ordenou que a formação ficasse em linha, armamos os mosquetes, fizemos pontaria e atiramos ao comando do capitão!
O estampido dos mosquetes se fez ouvir numa sucessão breve mas aterradora, e por alguns momentos não vimos mais nada além das grossas nuvens de fumaça branca que se elevou a nossa frente…
A formação em coluna de marcha que os franceses estavam ocasionou severas baixas no regimento, e nossa confiança aumentou enormemente neste primeiro momento da batalha.

Mas não demorou muito para que as coisas começassem a dar errado, nossos canhões ainda estavam sendo desmontados, sendo rebocados por cavalos até suas posições, o solo estava lamacento das chuvas dos últimos dias, o que atrasou e encalhou várias peças da artilharia.
Ao longo de toda a frente de batalha os coronéis de brigada gritavam ordens ou enviavam estafetas, o General observava e deliberava numa posição próxima as carretas de artilharia, na parte de trás do vilarejo.

II- O inimigo reagiu com presteza, vimos sua artilharia se posicionar nos topos das colinas lá do outro lado, eles não perderam tempo em preparar suas peças,
No centro o 2° regimento avançou com celeridade , desdobrou-se em linha e não perdeu tempo em alvejar o inimigo, mas na ala esquerda as coisas não estavam indo muito bem, justamente neste flanco que ficava do outro lado do rio o inimigo deixou um vazio de tropas e seus contingentes se concentraram massivamente do centro para o flanco direito.
Enquanto trocavamos tiros com o inimigo, rearmavamos nossos mosquetes o mais rapido que podiamos e continuavamos a disparar e viamos nossos companheiros tombar entre as fileiras, o flanco esquerdo não se mexia, nossa cavalaria estava toda posicionada naquela área e contavamos com ela para flanquear o inimigo, e no centro o 2° regimento trocava tiros com um contingente muito maior de infantes franceses.
Nós estavamos lutando muito bem no nosso setor mas então além do tiro dos mosquetes tivemos que suportar a carga aterradora das balas de canhão, nosso líder de linha teve o corpo partido em dois com um impacto direto da enorme bola de chumbo, pedaços de vísceras e membros se espalharam ao redor, seguido da queda de mais companheiros pelas balas dos fuzis, a formação não pode suportar a posição mas o valor do nosso coronel de brigada segurou nossa moral e nós recuamos em formação.

sim recuamos, mas não debandamos…

III-
Os franceses começaram a dominar amplamente a situação a partir da área central da frente de batalha, os estafetas iam e vinham com ordens e o desdobramento de tropas foi bastante eficaz, enquanto os canhões disparavam no topo das colinas dois regimentos completos dos franceses de moral inquebrantável se posicionaram em linha, foram ladeados por uma pequena formação de escaramuçadores de um lado e outra de cavaleiros do outro, e o espetáculo pavoroso que se seguiu foi que todo o setor central desmoronou sob o impacto massivo dos projéteis do inimigo, uma quantidade absurda de mortos e feridos e os remanescentes correndo apavorados em todas as direções, principalmente procurando abrigo junto ao bosque próximo.

IV-
Um de nossos canhões finalmente conseguiu ser armado e tomar posição no nosso setor, estava atrás das cercas e disparou contra o inimigo adiante, que sofreu abalos mas resistiu com bravura, nós fincamos pé na linha, reagrupamos, continuamos a disparar e sofrer disparos, , enquanto lutavamos acirradamente com o poderoso regimento de infantaria frances na nossa frente, abrindo grandes claros entre eles que não arredavam pé, sempre preenchendo os claros da formação, sua cavalaria nos tomou pelos flancos, sofremos com a situação mas ainda assim seguramos, talvez a presença do general e o valor do comandante daquela brigada tenha feito toda a diferença e nos mantido de pé ainda lutando.

Mas as coisas iam de mal a pior no resto da frente.
lá no outro lado por trás dos bosque o regimento de infantaria apareceu tarde demais, vinham em coluna e foram pegos pelo fogo massivo da infantaria e artilharia inimiga no centro além de uma pequena formação de cavaleiros que cruzou o rio e reforçou o ataque a distancia.
O regimento se desfez!
homens debandaram para a campina dos fundos deixando um rastro de mortos e sangue empilhados ao redor

V-
Por Deus que nós lutamos como uns diabos, não arredamos o pé, nossos claros aumentando em todo o regimento, recebiamos tiros da linha de fogo a frente, dos cavaleiros no flanco direito e agora até alguns disparos esparsos vindo de escaramuçadores inimigos que enxameavam entre as casas da vila.
Recebemos algum apoio dos escaramuçadores atrás que alvejaram os cavaleiros franceses, e nosso único canhão operacional fazia o que podia….
Mas não foi o bastante…
Os inimigos liberados no centro dividiram brilhantemente sua frente, um regimento avançou com rapidez contornando as casas e atirou-se com baionetas sobre as peças de artilharia encalhadas na lama, enquanto eles destruiam a maior parte delas, nossa cavalaria finalmente apareceu para a batalha, tarde demais e da forma errada aqueles porcos !
Fizeram uma longa manobra de flanqueamento para cercar uma pequena unidade de cavaleiros franceses, pegaram-nos de lado e fizeram a festa, dizimaram a formação …. mas para que?
Estavam distante demais para nos ajudar e quando pensaram em faze-lo o segundo regimento frances do centro já havia manobrado e formado uma linha para barrar-lhes o avanço, começaram a troca de tiros enquanto nós agonizavamos no lodo e no sangue !

VI-
Finalmente a minha vista se toldou quando fui atingido no ombro e só sobrevivi para contar a história porque Sharpe me arrastou entre os feridos, se ocultando entre a plantação, depois que o nosso regimento rompeu sob o fogo inimigo….
Não resistimos a pressão, o grande regimento frances de infantaria na nossa frente, apesar de ter se aproximado muitas vezes do colapso não se desfez e seu valor e bravura foram fundamentais para nos destruir, auxiliados pela boa mobilidade da cavalaria que nos flanqueou, apoiados por unidades pequenas que conseguiam posição de tiro das casas, fizeram grande destruição nas nossas linhas…
Nosso General que percebeu que seríamos cercados pela tropa que atacava a artilharia no fundo nem precisou dar a ordem de retirada, o que sobrou da formação se desfez e procurou escapar da melhor forma possível usando a proteção das lavouras e da noite que agora começava a cair….

Fomos dizimados e humilhados pelo inimigo, poucos no nosso regimento sobreviveram, mas não vemos o dia em que possamos travar combate de novo com o inimigo e vingar a morte de nossos irmãos de armas, por São Jorge !


situação tatica final.

DADOS TÉCNICOS :
BLACK POWDER é um sistema muito bom!
De fácil assimilação, divertidíssimo, e muito adequado para este período histórico.

O Diferencial :
EXÉRCITOS DE PAPEL EM GRANDE ESTILO !
Eu tentei colocar minhas peças de papel ensanduichando e.v.a. espesso para dar corpo e enobrecer as mesmas.
Até pensei em recortar os contornos mas achei que seria muito trabalhoso e desisti….
Bem, o Geraldo teve a moral , foi lá e fez! Recortou as peças nos seus contornos de cabeças e armas, acrescentou a tipica GRAMA de miniaturas , sobre bases de e.v.a. mesmo, após a aplicação da grama elas ficaram com uma rigidez impressionante , junto com a escolha de um exército graficamente muito jeitoso o resultado final foi formidável !

Simplesmente a coisa toda ficou tão bacana que ao longo da partida jogar com miniaturas não iria mudar muita coisa.
Um detalhe a mais :
as peças de canhão ficaram terrivelmente tridimensionais, com os canhões e sua guarnição espalhados na base, são praticamente miniaturas sob todos os pontos de vista.

Parabéns ao belo trabalho do Geraldo, e confesso me sentir muito satisfeito por ter um ‘quezinho’ de fomento nesta iniciativa…

Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em 02/05/2012 em BoardGames, Cenários

 

Tags: ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: