RSS

Relato de batalha : Warhammer 40K

18 maio

12/05/12
WARHAMMER – 40K
SPACE MARINES – Fiedler
IMPERIAL GUARDS – Müller

Um motivo especial para colocar este relato de batalha de jogos de miniaturas aqui :

Os veículos da GUARDA IMPERIAL são de PAPEL.
E os soldados são de brinquedo, estilo casas chinas, pintados para uma leve adequação Warhammer 40K.

Intróito :
Zaputi Zimonov responsável pelo departamento de seleção genética e propaganda colocou sua capa de oleado sintético sobre o ombro e pois seu rifle de plasma à bandoleira sobre ela , apertou o botão no final do corredor, a porta automática se abriu e ele sentiu a lufada de ar gelado quando caminhou para ela, lá fora seus homens esperavam perfilados em duas fileiras, eretos e imóveis.
Ele fez o que julgou uma preleção adequada, resumindo mais uma vez os detalhes da missão e incitando os homens a luta com coragem e bravura, avisou que não toleraria covardia e que ninguém que prezasse pela vida arreda-se pé quando encontra-se com o inimigo.
Ao final do pequeno mas incisivo discurso o tenente Gorlitz ordenou descansar e mobilizou a companhia numa coluna de marcha, dois pelotões de infantaria com o grupo de comando tomou lugar em dois velhos caminhões, um pelotão de veteranos entrou na Chimera, o APC padrão das Tropas Imperiais, atrás seguiu um velho Leman Rus , trepidando e tossindo, com a pintura toda desgastada e cheio de marcas de velhos combates.
Saíram da estação de radar e quarte general daquela guarnição esquecida num setor selvagem e esquecido de Marfagato Zeta as seis horas da manhã, o dia estava frio e uma fraca neblina meio amarela dissipou após as duas horas de viagem quando chegaram nos arredores do complexo industrial de Krasny , uma vasta área de edifícios abandonados, alguns em escombros, outros em melhor estado, que ocupava milhares de acres de terra e tinha a dimensão de uma grande cidade, com a diferença de que era um lugar ermo, desabitado e desolado, uma cidade industrial fantasma, onde não era seguro andar sozinho ou desarmado, criaturas estranhas e animais selvagens habitavam em porões, fendas e recantos escuros.

Gorlitz não sabia porque o velho Comissário Zimonov veio parar naquele lugar, um sub setor esquecido e mal afamado daquele planeta desprezado pelas proprias forças do Império, só sabia que sua última temporada de serviço militar para o império tinha sido no Necromunda e isto bastava para imprimir uma aura de respeito senão de pavor sobre o velho soldado.
Seus devaneios foram interrompidos pela voz grave do Comissário :
– Mande um pelotão de cada lado nós vamos acompanhar o flanco esquerdo, diga para o APC para avançar pelo meio e tão logo fazer contato com o inimigo desembarcar os veteranos , o Leman vai acompanhar o outro pelotão no lado direito, os desgraçados já devem estar por aqui então esteja preparado.

Os homens desembarcaram dos caminhões, foram divididos em dois esquadrões , estavam armados de fuzis laser leves, coletes e capacetes padrão da Guarda Imperial e foram orientados a preparar as armas e se deslocar em linha, prontos para o combate.
Não era uma operação oficial, na verdade ninguém deveria saber do que estava para acontecer, os homens de Zimonov iriam enfrentar uma companhia de Marines Espaciais!
Ambos estavam atrás de algumas caixas de armas e munição muito valiosas extraviadas nas proximidades após a queda de um cargueiro espacial há alguns anos atrás, na época a maior parte do material foi recuperado, mas alguma coisa ficou para trás escondida ou rapinada por habitantes do submundo que se abrigavam naquelas ruínas e viviam atras de comida.
A companhia de Marines Espaciais tinha quartel a um milhar de milhas dali , era parte da guarnição do Forte Bastiani que vigiava a capital planetária, eles não tinham autorização para a operação e estavam ali somente por vontade e iniciativa do seu líder, o temível Bardock, de modo que a coisa toda não apareceria nos anais oficiais para ambos os lados, e não era a primeira vez que isto acontecia, Os Marines Espacias e os Guardas Imperiais daquele setor eram velhos inimigos e viviam disputando tudo que pudesse lhes assegurar o poder e garantir a sobrevivência, na verdade as coisas naquele planeta não iam muito bem como rezava a cartilha do Império do Homem no resto da galáxia, Malfagato Zeta era um planetinha hediondo, sujo, esquecido pelas autoridades, e a lei do mais forte era o que imperava ali.

Combate :

Gorlitz e seus homens fizeram contato com o inimigo tão logo dobraram a esquina de um edifício em ruínas onde um esgoto espalhava sua fedentina tóxica pelo asfalto castigado.
O tenente ordenou o avanço do esquadrão e avaliou rapidamente o inimigo, um esquadrão tático de Marines que separou-se de seu líder e rumou para a esquerda, o oficial tinha grande compleição e uma armadura vistosa , devia ser o Burdock pois estava reluzente na sua poderosa armadura de placas de compósito, armado até os dentes e provavelmente repleto de auto confiança, a distância era difícil avaliar mas Gorlitz tinha certeza que ele devia estar mastigando a ponta de um enorme charuto de fumito, hábito notório em batalha conhecido por todos no setor.
O Chimera se adiantou no centro e disparou seus bolters pesados que ao impactarem no guerreiro marine lançaram estilhaços ao redor, a esquina fumegou por alguns instantes mas o oficial saiu incólume graças a eficiência da sua armadura, ele revidou atirando na infantaria próxima ao veículo e dois soldados tombaram num piscar de olhos….
O esquadrão tático de marines que havia se separado olhou surpreso quando um obus atingiu um lugar próximo , as suas costas fazendo tremer o chão , eles viram o pesado Leman Rus la do outro lado girar o veículo na sua direção.
Avançaram procurando a cobertura do terreno, mas um novo petardo atingiu em cheio a sua posição.
-Bummm ! – destroços dos asfalto se espalharam para todos os lados e dois cadáveres marines jazeram no chão ao lado da cratera, os 3 soldados que restaram pediram apoio pelo rádio, o veículo flutuante, e dois LandSpeeders foram acionados na retaguarda, um deles contornou o edifício em ruínas numa evidente tentativa de flanquear as forças inimigas no centro, o outro se aproximou cautelosamente do esquadrão tático ferido.

– Com mil demÔnios do Caos – rosnou Burdock entre dentes, quase arrancando um pedaço do seu charuto no canto da boca. – Eu vou acabar com isto agora – e avançou impetuosamente em direção ao APC inimigo, ele estava a salvo dos disparos do Leman Rus pela proteção de um muro alto, e ordenou que outro esquadrão tático seguisse por aquele flanco, eliminasse a infantaria que protegia o tanque e depois destruisse o veículo inimigo. Ao esquadrão tático ferido ele deu ordens explícitas de carregarem contra a infantaria naquele flanco, ele tencionava abrir o APC como uma lata de sardinha e depois apoiar o esquadrão engajado atacando o inimigo por trás.
Enquanto as unidades marines avançavam os guardas imperiais cessaram seu deslocamento no centro e começaram a atirar massivamente contra o líder marine que avançava impetuosamente, rajadas laser atingiam o soldado que não se abalava, invulnerável na sua forte armadura.
Gorlitz percebendo o perigo bradou ordens ao tripulantes do Chimera, a comporta atrás se abriu e o pelotão de veteranos enxameou pela abertura, movimentaram-se com presteza, a vanguarda disparou os dois fuzis de Melta que luziram no alvo a frente arrancando lascas de concreto da esquina mas não lograram ferir o inimigo, mas na retaguarda do pelotão tinha um soldado de nome Critus, que cresceu nos campos gelados de Siberoniam caçando lobos gigantes com lança granadas, ele fez um disparo certeiro no oficial Marine, que tombou no outro lado da rua, mas tão logo a fumaça dissipou o guerreiro Marine se levantou, o charuto no canto da boca e um brilho maligno no olhar.
Quando Burdock fez pontaria e estava prestes a disparar seu fuzil de plasma os bolters pesados do Chimera espoucaram, os projéteis atingiram em cheio o peito do oficial, explodiram e estilhaços entraram pela fenda aberta no ombro da granada anterior e Burdock tombou pesadamente sobre o solo, ainda com o charuto no canto da boca, ele conseguiu murmurar :
– Véi … na boa… – e não disse mais nada , ficou estatelado no chão, ainda consciente mas imobilizado vendo o resto da escaramuça como que de camarote.


…véi na boa ….

Agora o esquadrão tático dos Marines espaciais remanescente completamente recuperado assalta a posição avançada do pelotão de infantaria da Guarda Imperial, ao mesmo tempo o outro esquadrão também engaja os imperiais no beco que levava ao pátio de uma fábrica
Um revolutear de braços , adagas serrilhadas entre raios de pistola toma conta dos grupos de homens engajados no corpo a corpo.
Enquanto isto os veículos de ambos os lados manobram, os pesadões que se movem sobre lagartas tem desvantagem frente aos rápidos LandSpeeders Marines.
O primeiro LandSpeeder contorna o prédio em ruínas e não perde tempo em disparar um míssil que atinge o Leman Rus na blindagem lateral, o veículo chacoalha mas resiste, e então avança procurando proteção.
O segundo LandSpeeder que veio em auxílio do esquadrão tático se aproxima de lado em alta velocidade mas de repente ele sacode, escorrega de lado caindo com estrondo quando é atingido por uma granada disparada pelo pequeno Siberoniano , o cadete Critus, o esquadrão de veteranos rompe em gritos de júbilo que cessam imediatamente com o estrondo que chacoalha e abala o transportador blindado Chimera, ele é atingido na lateral pelo outro LandSpeeder que se esgueirou por trás da fábrica, a lagarta do Chimera é danifica mas mesmo ele não conseguindo se mover gira o canhão da torre procurando o inimigo….


bela cena do combate : o boss marine sangra lentamente, sob os olhares atentos dos veteranos o landspeeder fumega em primeiro plano, o leman rus longe demais e o chimera assistem o fim da luta corporal entre os soldados do futuro

O combate corporal entre os esquadrões é selvagem, contínuo e intenso, os soldados da guarda imperial vão tombando uma a uma mesmo assim não arredam pé, a presença de Zimonov que agora cerra fileira com o grupo comando ao redor dos marines faz toda a diferença, o moral se eleva, os guardas imperiais se batem com fúria e finalmente o esquadrão tático marine é sobrepujado e morre lutando…
No outro lado do campo de batalha apesar das pesadas perdas os guardas imperiais também persistem, tempo suficiente para a guarda imperial conquista a supremacia tática e de efetivo no campo de batalha, o esquadrão intacto de marines recua no corredor estreito do beco, os soldados da guarda cansados e feridos não se atrevem a persegui-los, no outro lado a Chimera ve seu inimigo recuar flutuando sobre o solo, quando Zimonov e Gorlitz tem tempo de pensar o líder Marine Burdock foi evacuado sorrateiramente, eles não tem pretensão de caçar os adversários e arriscar a vantagem da situação, Gorlitz separa seu pessoal em pequenos grupos que entram nos edifícios a procura do material bélico assinalado, o pesado tanque Leman Rus fica circulando pelo asfalto de vigia, os tripulantes a bordo do Chimera tentam recuperar o veículo.

SITUAÇÃO FINAL DO COMBATE

Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em 18/05/2012 em Geral

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: