RSS

=GUERRA DE BRINQUEDO= Escrevendo SAGAs

17 abr

bar316fjqk3 HerrMüller

No clube de wargames de Curitiba, TROPAS POLARES, fui convidado a participar de um sistema de jogo para a era Viking ! , com o nome mais que  apropriado de  SAGA !

O sistema Saga preconiza o uso de miniaturas individuais na escala de 28mm ( 1:56 ) , mas notei que miniaturas um pouco menores como a 20mm ( 1:72 ), uma escala clássica de colecionismo  também poderia ser usado , algo próximo a uma centena de miniaturas serve para montar bandos de guerra diversificados para ambos os lados em uma configuração de partida média a grande.

O sistema mostrou-se muito dinâmico, ágil e interessante.
Inicialmente os guerreiros das diversas facções, como normandos, vikings, escotos, entre outros tem atributos semelhantes, para as tropas conscritas, veteranas e de elite, mas o grande diferencial vem na folha da facção, que é onde se encontram as características peculiares, próprias e especiais inerentes a cada exército.

Para fazer uso destas habilidades e atributos diferenciados é preciso que o jogador faça um planejamento de ações usando seu reservatório de dados de combate, com um pouco de sorte, mas principalmente astúcia, os dados podem ser distribuidos para efetuar ações e usar habilidades pré-planejadas que vão determinar a performance daquela facção ou afetar a do adversário e vão conduzir os rumos da batalha, é um sistema muito esperto que consegue representar os jogos de guerra com  miniatura a nível escaramuça com aspectos de wargame de tabuleiro.

O resto é ver e provar, acompanhe a reportagem da batalha, em um partida de 06 pontos, a configuração média para o sistema,  na esmerada narrativa de LUCCA ZANETTI , o dono dos exércitos, proponente da partida e grande fomentador de Saga na Capital :

 

Por Lucca Zanetti :

Havia uma névoa espessa entre as colinas, mas sempre havia neblina sobre os vales escondidos das Terras Altas. Caithness sempre fora uma região misteriosa – os próprios romanos haviam caminhado por essas colinas, mas preferiram o sul mais quente e a terra mais fértil além de Galloway e Strathclyde, aonde os reinos saxões hoje existem. Na Northumbria, no entanto, assim como nas ilhas ao norte do reino de Alba, colonos nórdicos, vindos de uma terra distante em longos navios-serpente, continuavam a atacar e saquear vilas e assentamentos costeiros. Mas já a gerações estavam também tomando para si terras dos nativos. As ilhas tornavam-se reinos desses estrangeiros, que lhes davam nomes estranhos e impronunciáveis. E um líder desses colonos, desses Estrangeiros, o chamado Thorfinn, liderava tais Galo-Nórdicos.

Mesmo na Irlanda surgiam assentamentos desses invasores. No reinado de Macbeth, uma invasão liderada pelo Jarl Thorfinn das Ilhas saqueou boa parte de Moray até avançar sobre o que chamavam ‘Katanaes’, as terras de Caithness, aonde o Ri Déircc, Macbeth, havia preparado suas hostes para enfrentar Thorfinn e fazê-lo pagar pelos seus saques com sangue e suor.

Em uma pequena vila, cujos nomes desapareceram das escrituras, os pagãos foram de encontro aos escotos. Trompas de chifre soaram através da neblina, e os habitantes da vila ou desapareceram nas colinas e matas, ou esconderam-se em porões sutis, rezando por seus defensores.

Image
As hostes se preparam para marchar sobre a vila. O prospecto de ouro e mulheres levam os guerreiros de Thorfinn a preparam uma emboscada na mata próxima, mas os escotos preferem tomar e defender a vila através dos muros próximos.

Image
Image
Image
Entre os escotos, também pictos lutaram com Macbeth. Seu povo desapareceria logo, cada vez mais assimilado na cultura dos escotos, originalmente imigrantes da Hibérnia.

Image
Image
Image
Image
O combate começa no interior da vila. Os escotos avançam em paredes de escudos, mas a fúria dos guerreiros do norte logo desbarata diversos thanes pictos. 

Image
Image
Image
Os nórdicos tem muito sucesso a princípio, mas logo uma segunda linha escocesa se choca contra eles e os dizima. A cavalaria normanda, composta por exilados dos reinos do sul, por muito tempo aguarda um sinal para avançar sobre a vila, notando a presença de guerreiros na mata próxima.

Image
Image
Image
Sua carga é devastadora. O próprio Thorfinn abandona a parede de escudos para chamar à brados e soar de chifres os guerreiros aguardando no bosque, que logo o protegem, formando nova parede de escudos, sendo que a primeira havia se esfolado contra os escotos. Muitos dos escotos caíram nesse combate, sofrendo altas baixas, a ponto do novo avanço de Thorfinn ameaçar seriamente a Macbeth.

Image
As linhas se preparam novamente para o choque final. Tanto Macbeth quanto Thorfinn limpam suas lâminas com panos arrancados de corpos de seus inimigos. Ambas as paredes de escudos batem suas armas contra seus elmos e contra seus escudos, urrando desafios…

…mas aí as fontes tornam-se incompletas. Fragmentos apenas existem. Não sabemos como acabou tal batalha, mas Thorfinn continuou Jarl nas ilhas, assim como Macbeth continuou rei na Scotia até a guerra contra Malcolm. Não sabemos o nome de tal batalha, nem da vila aonde ela tomou lugar, pouco mais que um vilarejo rural.

A batalha acabou por ‘time-out’, mas foi muito interessante.

 
Deixe um comentário

Publicado por em 17/04/2014 em Geral

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: