RSS

Zombicide 2: Prison Outbreak – Missão 3 – Serra Circular

20 jan

Olá, pessoas!

Segue o relato de nossa partida (com alguns comentários iniciais sobre o cenário).

5 jogadores:
Lauri – Shannon
Henrique – Joshua
Marcus – Belle
Hélio – Grindlock
Eu – Kim & Watts

Jogamos o terceiro cenário: Serra Circular, onde o objetivo dos sobreviventes é invadir uma prisão (usando uma serra circular para abrir um buraco ao redor da porta de aço) e, uma vez ali dentro, limpar o local de zumbis. Foi uma partida curiosa, pois este cenário, para mim, mostrou o mesmo porém que havia no outro que joguei desta 2a temporada: a possibilidade, bem fácil até, de explorar o que é uma falha de execução do cenário: no outro, havia a torre de observação, aqui a questão ficou para com a relação entre os spawn points e a porta giratória. Dois dos spawn points ficam fora do presídio e dois, dentro.

É possível deixar a porta giratória fechada de tal modo que o acesso de fora do presídio fique totalmente bloqueado, enquanto ainda é possível usar a porta para ir de um lado a outro da cadeia. Ou seja, uma vez que tenha-se entrado no presídio, todos os zumbis de fora não são mais problema algum. Claro, quanto mais houver lá fora, mais rápido começará a ocorrer as ativações extras dos tipos de zumbis. Mas… é só basicamente limpar a área inicial, lidar com 1 dos spawn points, que, eventualmente, quase todos os zumbis estarão divididos em dois locais: 50% fora da cadeia, representando perigo nenhum; 25% deles num dos lados da cadeia, sem acesso ao outro lado e todos empilhados num local só; e 25% no lado da cadeia onde estão os sobreviventes. Ok, 25% com várias ativações extras parece algo ruim, e é. Mas esse número não é beeeem assim. Com os sobreviventes matando os que surgem no spawn point ali dentro, cada vez esse número vai diminuindo, pois os que saem dali vão sendo divididos entre os os 4 spawn points no mapa – então, aos poucos, a proporção mudará para 55% / 30% / 15%, depois 60% / 35% / 5%, até que, afinal, basicamente não haja mais zumbis para entrar no lado do presídio onde estão os sobreviventes. Então é abrir as celas (e não entrará zumbis nelas), depois mover a porta para abrir do outro lado, explodir todos os zumbis unidos com um coquetel molotov (usando o tempo de quase “descanso” para conseguir tal item), abrir as celas. Voltar. Novamente esperar que se juntem num só local. Jogar outro molotov e pronto. Vitória. Hurra.

Enfim, não fizemos isso, mas ficou claro que poderíamos fazer. Como foi, pegamos a serra circular e a Belle (Marcus) já a usou para eliminar uma Aberração que veio na primeira fase dos zumbis. Ficamos ainda um tempo fora do presídio, para conseguir fazer umas procuras, armando-nos melhor antes de entrar na cadeia. Conseguimos compor quatro bons conjuntos: um de escopetas de cano serrado com o Joshua (Henrique), outro de uma katana e uma wakisashi com a Belle, um bastão de pregos com a Kim (eu) e um par de pistolas com o Watts (eu). Isso, junto com duas motosserras e a serra circular, permitiu que nós tivéssemos em boas condições de encarar tanto os zumbis normais quanto os berserker (que só são mortos com armas brancas). Na cadeia, conseguimos lidar com os zumbis nos locais iniciais e abrir as celas do lado branco (ainda no nível amarelo). Foi um momento tenso, em que havia um grande risco para os sobreviventes, mas com a Kim que consegui matar 3 lerdos e 2 rápidos, e na ativação dos zumbis recebemos, no geral, só dois danos. Na base da violência generalizada, limpamos o local, mas ainda tinha os zumbis que vinham do ponto de spawn, porém daí era bem manejável.

Abrir o lado roxo provou-se mais problemático, pois a Kim estava no nível laranja e, com isso, surgiram pilhas e pilhas de zumbis naquele local. Usamos nosso segundo molotov muito cedo, e o grosso da horda teve que ser enfrentada na mão (já que a horda era, em sua quase totalidade, exceto por uns rápidos, composta de zumbis berserkers). A Belle e o Watts foram para a briga, porém, mesmo derrubando vários, foram superados e mortos. Neste lado da cadeia ainda restava a Shannon (Lauri), o Grindlock (Hélio) e a Kim (eu), enquanto do lado branco estava o Joshua (Henrique) sentando o cacete nos zumbis que surgiam.

Foi preciso que a Kim e o Grindlock recuassem, de forma a se unirem com o Joshua, e arrebanhar os zumbis, para que os três pudessem ter o máximo de ataques possíveis contra a horda. A Shannon acabou isolada do lado roxo, pois estava separada e não tinha como passar por um par de zumbis balofos que bloqueavam o caminho dela. Liderados pela Kim, o Joshua, o Grindlock e ela pularam no meio da multidão desmorta e foi uma luta épica, com nada menos do que 15 zumbis mortos – um ainda restou, mas a Kim conseguiu se proteger de ferimentos com o cassetete.

Por esse momento, não havia mais fase de ativação e surgimento de zumbis em que os mortos-vivos, de todos os tipos, não se mexessem várias vezes, em vista da enorme quantidade deles que havia por fora do presídio. Os três sobreviventes do lado branco, então, avançaram para o lado roxo, onde mais balofos tinham aparecido, vindo com outro tanto de zumbis lerdos. O Grindlock ficou metido e foi muito para a frente, confiando que mataria todos com a motosserra, mas faltou um balofo. Este ativou três vezes e matou o Grindlock. Restava agora a Shannon, a Kim e o Joshua – mas este acabou sendo atacado e morto por um par de zumbis rápidos, quando tentou voltar ao setor branco da prisão.

Cabia às mulheres completar o serviço e foi isso que elas fizeram. Aproveitando um momento em que surgiram zumbis só no setor roxo (no branco não tinha mais do tipo indicado, então eles só ativaram novamente, mas do lado de fora da prisão, sem causar problemas), as duas eliminaram os dois balofos e os quatro lerdos que apareceram. Assim, os três objetivos do cenário foram cumpridos (entrar na cadeia, deixar o setor branco e roxo sem zumbis). Então, vitória dos sobreviventes!

Enfim, mesmo sem querermos, acabou que houve a concentração de uma pilha de zumbis fora da cadeia, o que creio ser o objetivo do cenário, de forma que os de dentro ativem várias vezes (e seja fiel tematicamente, com uma hora de zumbis batendo-se contra as cercas e paredes do presídio, bem ao estilo Walking Dead), o porém, como expus, é que isso pode ser usado para “quebrar” o cenário, por isso que eu gostaria que esses cenários tivessem algum tipo de marcador de tempo, para que tudo tenha que ser agilizado e não se possa demorar-se demais, explorando as mecânicas da cenário para “gamear” a coisa toda. Outro porém é que, como foi, as duas Aberrações ficaram fora da cadeia, deixando de ser uma ameaça aos sobreviventes (se bem que, com a serra circular e os trocentos ataques dos sobreviventes do nível laranja, é difícil que uma Aberração dê lá muito trabalho).

De qualquer modo, foi uma partida divertida, cheia de momentos legais e tensos, mas só porque jogamos no espírito correto.

E foi isso!

Abs,

Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em 20/01/2016 em BoardGames

 

Tags: , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: