RSS

Arquivo da tag: Set Collection

Biblios – resenha

– In nomine Patris, et Filii, et Spiritus Sancti – entoou o abade, erguendo a hóstia.

– Amém – responderam, em uníssono os monges, ajoelhados nos genuflexórios.

A abadia era escura e úmida, austera em sua construção de pedras cinzas. O sol surgia no horizonte, fora do monastério, e, ali dentro, as velas de cera de abelha queimavam fracas, praticamente exauridas. As laudes seguiram dia adentro e o eco das vozes ressonavam pelos corredores.

– Gloria Patri, et Filii, et Spiritus Sancti. Sicut erat in principio, et nunc, et semper, et in saecula saeculorum – o abade cantou, encerrando a ladainha e as orações matutinas.

– Amém – retornaram os monges.

Após serem dispensados os monges seriam em pares pelos corredores até o refeitório, onde vinho, pão, queijo, mingau e frutas os esperavam. Dali os irmãos separaram-se, indo para suas tarefas diárias e alguns, os mais habilidosos e respeitados foram até o scriptorium – a oficina dos escritos -, onde os pergaminhos e as tintas os esperavam. Os assentos rígidos de madeira não eram confortáveis, mas o costume removera a maior parte do incômodo. Os monges se persignaram, fazendo o sinal da cruz, antes do início do trabalho, pois o serviço era uma litania de louvor aos céus.

Então as penas tiveram suas pontas cuidadosamente afiladas, enquanto o mestre dos copistas supervisionava a mistura dos pigmentos, em particular a moagem do lápis-lazúli e o preparo do auripigmentum – o divino dourado – pois era esperado que as iluminuras preparados ali superassem em qualidade e beleza todos os demais mosteiros da cristandade. Os favores do arcebispo são volúveis e o abade não queria perdê-los. Era necessário, portanto, inspirar com maravilhas em formas de letras e cores. Tudo para a glória do Senhor.

BIBLIOS – O JOGO

Imagem por kherubim
Read the rest of this entry »

 
 

Tags: , , , , , , ,

Libertalia – primeiras impressões

Olá!

Aviso que as impressões abaixo, como dito, são as primeiras, com base em uma única partida.

O básico das regras:

Libertalia é um jogo em que cada participante escolhe uma cor (lindamente representada por um navio, com nome específico, um esconderijo e o nome de um capitão pirata). Então recebe 30 cartas de personagens – cada uma delas única entre as 30, mas cada jogador tem as mesmas cartas.

Imagem por W Eric Martin
Read the rest of this entry »

 
Deixe um comentário

Publicado por em 22/12/2015 em BoardGames, Jogos, resenha

 

Tags: , , , , , ,

Bohnanza – resenha

Ganhar a vida no campo não é algo simples: saber o que plantar é tão importante quanto saber quando colher. Haverá chuva este ano? Será preciso descansar o campo ou mudar a plantação? E, mais importante de tudo, alguém tem um feijão azul?

Azul?? Amigo, fique comigo que você já irá entender.

BOHNANZA – O JOGO

(Cortesia de yayforme)

Pois bem, antes do Uwe Rosenberg decidir que jogos simples são para os fracos, ele fez um jogo de plantação de feijões chamado Bohnanza. Agora, é uma plantação que ocorre em alguma propriedade rural na França em que há 8 tipos de funções diferentes na fazenda para escolher e 32 tipos de prédios para construir e levar os feijões da terra até a mesa do consumidor final (e por consumidor final eu quero dizer, meeples famintos, claro)? Não.

É um jogo de coletar conjuntos de cartas. Cada jogador tem dois campos (é possível comprar um terceiro, mas considere que como base usarei dois campos nos exemplos) e plantar é preciso. Acontece que o fazendeiro que o jogador interpreta tem déficit de atenção, assim, só com muito controle uma plantação chega a encorpar como deve.

Read the rest of this entry »

 
Deixe um comentário

Publicado por em 27/11/2015 em Cardgames, Jogos, resenha

 

Tags: , , , , , , , ,

Ticket to Ride – resenha

– Acho bastante difícil, senhor – disse o engenheiro, encarando, do alto do morro, a extensa planície.

O dono da empresa sabia que era uma tarefa complicada. Se fosse fácil, alguém provavelmente teria feito antes. – E, mesmo assim, faremos – retrucou.

O engenheiro abaixou-se sobre um dos joelhos e pegou um punhado de terra, sentindo como era fina e seca. – Difícil – repetiu ele. – Será preciso um trilho longo, sem estações grandes entre aqui e Helena. Quase uma linha reta – mas uma enorme linha reta, no entanto.

– Mas pode ser feito?

Foi necessário um tempo de ponderação antes do engenheiro responder. – Pode, mas será necessário bastante ferro. E a Companhia Azul está pegando tudo que tem disponível para a ferrovia São Francisco-Portland.

Um sorriso espalhou-se pelo rosto do empresário. – Ah, quanto a isto, não se preocupe. Vá em frente, comece a contratar os trabalhadores e fazer as encomendas de material.

O engenheiro não estava tão certo sobre a prudência financeira daquelas ações. – Mas…

O dono da empresa o interrompeu. – Tudo que posso dizer – segredou – é que tenho alguns coringas nas mangas.

TICKET TO RIDE – O JOGO

Imagem por Fawkes

Read the rest of this entry »

 
Deixe um comentário

Publicado por em 04/11/2015 em BoardGames, Jogos

 

Tags: , , , , , , ,